por JanyPiquenique com os Seres de Luz!

Tem aranha fazendo teia, tem gente apagando a luz do quarto do filho que acaba de adormecer. Tem cachorro abanando o rabo. Tem medo no meu coração, tem alegria também. A vida corre sem que eu possa detê-la. Sem que você possa! Amanhece, anoitece. Ou estamos deitados, sentados ou em pé. 
 
Um homem que também só faz deitar, ficar em pé ou sentar, lá na Coreia do Norte, testa armas de destruição em massa. Que assustador!

Penso no violento exército mongol de Gengis Khan que, no século XIII matou milhares pessoas quando dominou um vasto território que incluiu toda a China - que, por sua vez, hoje, domina o Tibete desde 1950. A brincadeira continua a mesma de sempre. Pessoas destruindo e pessoas maravilhosas cuidando. Gente entretida em amar e gente entretida em destruir. 
 
Um rapaz me disse: “Você não sabe o que aconteceu no Workshop de Dança Circular do Fabiano!” (Fabiano não é o nome verdadeiro, estou mudando seu nome para ser uma indiscreta um pouco discreta!)
“Conta!”, eu disse, e o rapaz contou: “Quando acabou o Workshop, Fabiano disse: Quem quiser ir embora pode ir, eu vou continuar dançando”. 
 
O rapaz que me contava não foi embora e continuou dançando com Fabiano, e foi aí que ele viu que, além da roda de pessoas, havia dentro dela uma roda de seres de luz e no meio do círculo entravam espíritos de moradores de rua. Sobre as feridas que haviam no corpo deles uma luz se aproximava e cicatrizava os machucados. Contou também que quando acabou a roda Fabiano tinha lágrimas nos olhos e disse: “Preciso fazer um trabalho.” 
 
E eu perguntei ao rapaz, que é espírita: “Você contou isso pro Fabiano?” E ele me respondeu: “Não contei, não falo dessas coisas, é que você sempre me pergunta!” 
 
Em seguida - era um evento de dança - encontrei o Fabiano e ele me falou: “Aconteceu uma coisa incrível outro dia no final de um Workshop! No meio da roda começaram a entrar espíritos de moradores de rua com quem eu tinha feito um trabalho”. Eu ouvi e disse: “O rapaz me contou que também viu! E viu também uma roda de seres de luz entre vocês e os moradores de rua!” Fabiano disse que tinha percebido que o rapaz também tinha visto alguma coisa. 
 
Apesar de gostar muito dos dois, não sou amiga íntima de nenhum deles, e achei curioso que ambos tivessem vindo me contar. Já faz alguns anos que ouvi essa história e hoje ela quis ser contada aqui. Talvez por isso que ela tenha vindo a mim. Para que um dia você também pudesse saber. 
 
Nunca vejo nada na minha roda de Dança Circular, mas pessoas me contam às vezes que viram algo. Uma índia ao meu lado, cores no meio da roda. O bom de ouvir sobre essas histórias que elas me acalmam um pouquinho em relação ao homem da Coreia do Norte. Pelo jeito há mesmo em jogo muito mais do que podemos enxergar. Se há seres de luz, quer dizer que há luz para iluminar a escuridão do medo! Isso realmente “me acalma, me acolhe a alma”, como diz a música da Marisa Monte. 
 
Tenho prestado atenção no que possa ter em comum com o homem da Coreia do Norte, na minha capacidade de destruição e violência. Para poder escolher o lugar em que quero estar nessa vida, o impacto das minhas atitudes. Consciência sobre o que estou criando e o que estou destruindo cotidianamente e apesar da minha incapacidade para vê-los bem que quero a companhia constante dos seres de luz! 
 
Leio que o vocábulo companhia se originou de “com panis” em latim, que significa aqueles que comem o pão junto. Puxa! estou muito interessada neste piquenique! Eu, você, o homem da Coreia do Norte e os seres de luz comendo juntos o pão! Um lindo piquenique por um mundo mais pacífico e amoroso! Amém! 
 
Na foto, mandala de autor desconhecido que encontrei em uma casa no Matutu em Minas Gerais.



Os artigos e reportagens, quando assinados, não refletem necessariamente a opinião do Site da Granja e são de inteira responsabilidade de seus autores.


  • Comentários (0)
  • Comente aqui
  • Indicar para amigo(a)
  • Imprimir
Nenhum comentário.

Preencha os campos abaixo:

Nome:
E-mail:  Exibir e-mail
Título:
Comentário: 
Seu comentário sobre essa matéria, será avaliado
e publicado no prazo máximo de 48 horas.
3ZM   

Indique esta notícia a um(a) Amigo(a):

Seu Nome:
Seu E-mail:
Nome Amigo(a):
E-mail Amigo(a): 

Planeta eu - Jany

Jany

Escritora e Focalizadora de Dança Circular no UlaBiná.



Todos os direitos de reprodução e representação reservados.

newsletteranuncie

Receba nosso informativo semanal

Arquivo

  • Piquenique com os Seres de Luz!
  • Sou feia!!
  • O corpo desobediente! por Jany
  • Não tem só bem pensar!
  • Voa Aurélio! por Jany
  • Olhos de cuidado! por Jany
  • Cuidado com o Penelin!
  • Fala que eu te escuto!
  • Na palma da mão!
  • A revolução da verdade!
  • Sim! Pode falar!
  • Ai de mim! Por Jany Vargas
  • Ioiô para todos!
  • Mãe Divina Mãe, meu coração pertence a ti
  • Quer mudar o mundo?
  • O mapa!
  • Eneagrama - Qual é o Seu Número?
  • Néctar para o inimigo!
  • Imagine!
  • Para fluir suavemente...
  • Belo ou vil metal?
  • Problemas com alguma pessoa?
  • Funk e Roberto
  • Carma, Zuco e Panga!
  • Antônio Fagundes: leitor!
  • Planeta Nós!
  • Quero viver!
  • Tatu bola ?
  • As finitas manhãs
  • Vestido novo!
  • Ursos brancos
  • Olho por olho?
  • Lá, num pedacinho da Mata Atlântica
  • ONE FOR ONE!
  • A metáfora e o garoto problema
  • Combinado?
  • O cavalo hermoso!
  • Atenção!
  • É para o melhor!
  • Todo dia!
  • “Ela que me faz um navegador”
  • A Dona do meu Botequim
  • O deserto e as pequenas mãos
  • Crônica Fé e Liberdade
  • Não se justifique!
  • Uma das rosas do Guimarães
  • Vem não, Bicho Papão!
  • O porco-espinho e a boca rebelde!
  • A Vasta Claridade!
  • A mão que beija, a mão que bate!
  • Meu reino por este Reino!
  • Um único pulsar!
  • A vida é um piquenique
  • Doutor ou bailarino?
  • “Eu, caçador de mim”
  • A menina e seus amores obsessivos
  • Na rua, no sofá e na ação!
  • Livre, eu vou seguindo meu caminho
  • Das pequenas plantas às grandes florestas
  • Hello ET!
  • Enquanto não bate o vento forte...
  • The book is on the table!
  • Marchar e bailar!
  • No Baile de Madame Providência
  • Cidades para pessoas
  • Você me curte?
  • A Terra e os errantes navegantes
  • O Grande Oceano
  • A água nos meus olhos
  • Era uma vez
  • Quem vive aqui?
  • Manifesto pela Educação
  • 1.0, mas bem bronzeada!
  • A raiva, o gato e o sapato!
  • Nem amos, nem escravos!
  • Aprendi com você...
  • Só a bailarina que não tem...
  • Vejo flores em você
  • A invenção do normal!
  • Sol para todos!
  • Medalhas no meu peito!
  • Ser ou não ser, eis a questão!
  • Vai lá Gerônimo!
  • Esperança
  • A Terra é azul!
  • Fé e liberdade
  • Antes que eu durma cedo demais...
  • Sob o céu, plantando...
  • “Imagine na Copa!”
  • No tabuleiro da existência...
  • “Alô, alô marciano...”
  • Nave Mãe Terra!
  • A lucidez é um vírus
  • Na rede, com você!
  • Foi o amor
  • Embaixo da roupa todo mundo é pelado!
  • Amar, o verbo do coração
  • Leve no ar
  • Deixa brilhar!
  • Fica comigo esta noite?
  • Até você, Gina?
  • Minha noite, teu dia
  • A mulher peixe!
  • Tram prá lá, tram pra cá!
  • O chinês e o quebra cabeça
  • Fé e Liberdade
  • 1, 2 e 3 de Oliveira 4
  • Infinito Particular
  • Complexa e Bela!
  • Chuva forte no pires!
  • Descalça, às vezes...
  • Historinhas e Territórios
  • Raiva quente ou com gelo?
  • Travessia
  • Atchim!!!
  • Respiro e isso é quase tudo!
  • A gente temos!
  • No céu da vida
  • O biquine e o Minotauro
  • Agora mesmo, eu e você por aqui!
  • Mulher ao mar!
  • Vinte mil léguas dentro de mim
  • O grifo e a princesa gripada
  • Crenças na capa da Revista
  • O Galo Infiel
  • Roncos na viagem sem passaporte
  • “O Importante é que emoções eu vivi”
  • Agora mesmo!
  • Ohos de Osho
  • Estrelas no bolso
  • Brilhar antes de mergulhar
  • Já dizia Caetano...
  • Ar para Tomar
  • Escolhas e chatice
  • Passeio pelos Seis Reinos da Existência
  • Significados
  • Sabe o que é Dança Circular?
  • Graça e Coragem por Jany