por Karen GimenezHome office e a Lei

O mundo do trabalho vem mudando profundamente. Independentemente de modismos, muita coisa veio para ficar. Dentre tantos outros temas já tratados, uma das alterações na rotina passa a ser prevista em lei: o home office, oficialmente chamado de teletrabalho.

Diversos motivos tornam uma alternativa a rotina de trabalhar em casa, mesmo para quem atua sob regime de CLT. Entre eles, a falta de mobilidade nas grandes cidades e a possibilidade de contratar pessoas residentes em outros municípios ou estados.

O sistema pode ser amplamente vantajoso tanto para a empresa quanto para o empregado se for bem implementado. Colocar alguém para trabalhar em casa envolve muito mais do que instalar um computador. É preciso preparar esse colaborador para a sua nova rotina, a família, bem como preparar quem fica no escritório para não encarar o trabalhador à distância como um privilegiado e acabar gerando conflitos na equipe.

A questão comportamental tem diversos elementos a considerar, mas o tema de hoje é a oficialização dessa prática. No início era difícil medir produtividade ou efetivamente se o funcionário estava ou não trabalhando. Muitas empresas começaram a instalar sistemas de monitoramento nos computadores. Para uma pequena empresa, há dispositivos on line a preços muito convidativos.

A regulamentação

A primeira mudança na lei ocorreu em 2011 quando o profissional em sistema de teletrabalho passou a ter os mesmos direitos daqueles em regime presencial na empresa. Com a nova lei, alguns aspectos mudam como a questão do pagamento e horas extras. O item jornada de trabalho não é obrigatório. No contrato devem constar as atividades que serão exercidas, pois a tendência é que a remuneração seja por tarefa, mas nada impede que seja por jornada. Vale a livre negociação.

Quem atua em sistema presencial pode fazer a mudança, mas é preciso que todos os detalhes sejam registrados em contrato, inclusive gastos excedentes com energia elétrica, internet e outros recursos pessoais do trabalhador em função da sua nova estrutura. Aqui tende a valer novamente a livre negociação, ou seja, vale o acordo feito por escrito. Se o equipamento será da empresa ou pessoal do trabalhador não há consenso ainda. Recomenda-se que seja da empresa e que, no caso, o computador seja de uso exclusivo de trabalho e fique em um aposento específico da casa para não ser confundido com bens da família.

Outro ponto é em relação à Saúde e Segurança do Trabalho. A lei exige que o empregador oriente o empregado em relação aos cuidados a serem tomados em casa e que isso seja devidamente documentado. É possível sim sofrer acidentes de trabalho ou ter doenças ocupacionais atuando em casa. Férias, 13º, multas rescisórias são direitos que não mudam, trabalhando na empresa ou em casa.

Independentemente da lei o mais importante para quem trabalha em casa é a disciplina. Ter um local separado em que não haja interferência da família. Trabalhar com roupas adequadas e de maneira organizada. Afinal home office não é sinônimo de férias.



Os artigos e reportagens, quando assinados, não refletem necessariamente a opinião do Site da Granja e são de inteira responsabilidade de seus autores.


  • Comentários (0)
  • Comente aqui
  • Indicar para amigo(a)
  • Imprimir
Nenhum comentário.

Preencha os campos abaixo:

Nome:
E-mail:  Exibir e-mail
Título:
Comentário: 
Seu comentário sobre essa matéria, será avaliado
e publicado no prazo máximo de 48 horas.
4GA   

Indique esta notícia a um(a) Amigo(a):

Seu Nome:
Seu E-mail:
Nome Amigo(a):
E-mail Amigo(a): 

Visão Empresarial - Karen Gimenez

Karen Gimenez

Master Coach, PNL Master e Coach em Inteligência Financeira.Formada em Comunicação com MBA em Estratégia Empresarial e em Geografia com especialização em Gestão do Terceiro Setor. É professora de pós-graduação na Unip nas áreas de Liderança e Coaching e proprietária da KG Coaching: www.kgcoaching.net.

E-mail: karen@kgcoaching.net



Todos os direitos de reprodução e representação reservados.

newsletteranuncie

Receba nosso informativo semanal

Arquivo

  • Home office e a Lei
  • O pensamento positivo e o medo
  • Duelo improdutivo por Karen
  • Escolha de carreira por Karen
  • Dá tempo de ser mãe e trabalhar?
  • Terceirização: questão de coerência
  • Bonzinho X Competente
  • Quando o RH atrapalha o treinamento
  • A educação financeira nas empresas
  • Protagonismo – um caminho sem volta
  • Vamos melhorar nossas reuniões?
  • Para vender é preciso aprender a ouvir
  • Como estragar seu primeiro encontro
  • O estagiário e o ônibus
  • O Uber pode nos tornar mais humanos
  • O que não se mede não se gerencia
  • Você, gestor
  • Contrato não é burocracia
  • A dificuldade de ouvir não
  • O trabalho em 2016
  • O falso milagre das palestras
  • Delegar 3.0 em vez de “delargar”
  • O preço da indecisão
  • O que efetivamente é um consultor?
  • Sua empresa na nuvem
  • A hora e a vez das mulheres
  • Brasileiro abre empresa, não empreende 2
  • Brasileiro abre empresa, não empreende 1
  • Ser veloz não é ser apressado
  • Liderança Servidora
  • Empreendedorismo atrás das grades
  • Contratamos mal
  • A maior decisão profissional
  • Mercado de trabalho em 2015
  • Conexão Profissional
  • Criativo não é inovador
  • A personalidade do cliente
  • Negócios Paralelos
  • Amigos e negócios
  • Trabalha muito e produz pouco 2
  • Trabalha muito e produz pouco
  • Você sabe gerir seu tempo?
  • Mudar de emprego
  • Falsos heróis profissionais
  • Você é um empreendedor caprichoso?
  • Ah! Essa minha equipe...
  • Networking tem técnica – parte 2
  • Networking tem técnica – Parte 1
  • Miopia empresarial: qual é a sua?
  • Qual a base da sua venda?
  • Parceria: êxito ou frustração?
  • Conhecimento X Autoestima
  • A falta que o treinamento faz
  • A comparação com você mesmo
  • Uma questão de preconceito
  • Sua carreira em 2014
  • Home Office – parte 3
  • Home Office parte 2
  • Home Office parte 1
  • Pobres engenheiros
  • Os profissionais do jeitinho
  • Controle ou Gerenciamento?
  • Identidade financeira – Parte 2
  • Identidade financeira – Parte 1
  • Workaholics improdutivos
  • A arte de cofundir a equipe
  • Você sabe dar “feedback”?
  • Sustentabilidade da porta para dentro
  • Quais são os seus papéis na vida?
  • Não precisa ser perfeito. Basta ser honesto
  • Não basta ser técnico para ter um negócio
  • Quem falha ao planejar, planeja falhar
  • A falsa sensação de empatia
  • A falsa sensação de um clima de harmonia