por Karen GimenezTerceirização: questão de coerência

Há cerca de dez anos trabalhei em uma agência de Comunicação que pregava aos quatro ventos ter uma gestão contemporânea e futurista. Para o dono, essa relação de modernidade se dava, prioritariamente, pelo que ele chamava de “desapego às amarras da ditadura” que é como se referia às leis trabalhistas criadas no governo Getúlio Vargas.

Modernidade e liberdade para ele, eram todos terem a sua própria empresa e trabalhar em uma grande parceria. Todos então foram obrigados a se tornar pequenos empresários – as famosas PJ – independentemente do salário. Na época não havia microempreendedor individual, então além das despesas equivalentes a atuais 1.500 reais em média, ainda teriam de arcar com o contador mensal. Estranho era que essa liberdade só era pregada no regime de contratação, pois todos tinham de cumprir horário e não podiam atuar em projetos paralelos de Comunicação. Ou seja, foram abertas cerca de 40 empresas para ter um único cliente: a agência.
Reviravoltas da vida – às vezes mais das pessoas do que da vida -, parte da empresa foi vendida para uma holding estrangeira e algumas áreas foram desativadas free-lancer. O dono tentou outros negócios e acabou se tornando profissional, entre outros motivos pela sua faixa etária pouco atrativa para o cotidiano frenético das agências.

Dez anos depois... 

Qual não foi a minha surpresa quando, dez anos depois, com a proposta de terceirização do governo, vejo esse mesmo ex-empresário e atual free-lancer com discursos inflamados sobre como as mudanças nas leis trabalhistas são vis, coisas de patrões sem caráter contra os pobres trabalhadores, cuja CLT é um direito que deve ser garantido a todos.

Não vou discutir aqui se as mudanças nas relações de trabalho são ou não necessárias e nem se o projeto da terceirização está ou não correto. O que eu quero levantar nesse momento é o quanto somos incapazes de nos colocar efetivamente no lugar do outro e o quanto essa falta de capacidade faz com que gerenciemos mal as nossas equipes e as nossas empresas.

O quanto a falta de compromisso e engajamento que tantos empregadores reclamam hoje se dá justamente pelo olhar para apenas um lado: o próprio. Sabemos que há funcionários com problemas de desempenho, comportamento entre outros. Mas quanto disso foi agravado pela nossa incapacidade como empresários de promover empatia e com isso ter a equipe na mão? O quanto quando é comigo é diferente distancia equipes e joga para baixo o resultado das empresas? Fica a proposta de reflexão: e se eu estivesse no lugar do meu funcionário, como eu realmente encararia as minhas próprias atitudes?



Os artigos e reportagens, quando assinados, não refletem necessariamente a opinião do Site da Granja e são de inteira responsabilidade de seus autores.


  • Comentários (0)
  • Comente aqui
  • Indicar para amigo(a)
  • Imprimir
Nenhum comentário.

Preencha os campos abaixo:

Nome:
E-mail:  Exibir e-mail
Título:
Comentário: 
Seu comentário sobre essa matéria, será avaliado
e publicado no prazo máximo de 48 horas.
PG7   

Indique esta notícia a um(a) Amigo(a):

Seu Nome:
Seu E-mail:
Nome Amigo(a):
E-mail Amigo(a): 

Visão Empresarial - Karen Gimenez

Karen Gimenez

Karen Gimenez - Master Coach, PNL Master e Coach em Inteligência Financeira. Atua como processos de Coaching, desenvolvimento de lideranças e porta vozes, gerenciamento de crises, gestão de conflitos, consultoria em comunicação e responsabilidade social. Formada em Comunicação com MBA em Estratégia Empresarial e em Geografia com especialização em Gestão do Terceiro Setor. É professora de pós-graduação na Unip nas áreas de Liderança e Coaching e proprietária da CCS Consultoria: www.ccsconsultoria.net. E-mail: karen@ccsconsultoria.net

E-mail: karen@ccsconsultoria.net



Todos os direitos de reprodução e representação reservados.

newsletteranuncie

Receba nosso informativo semanal

Arquivo

  • Terceirização: questão de coerência
  • Bonzinho X Competente
  • Quando o RH atrapalha o treinamento
  • A educação financeira nas empresas
  • Protagonismo – um caminho sem volta
  • Vamos melhorar nossas reuniões?
  • Para vender é preciso aprender a ouvir
  • Como estragar seu primeiro encontro
  • O estagiário e o ônibus
  • O Uber pode nos tornar mais humanos
  • O que não se mede não se gerencia
  • Você, gestor
  • Contrato não é burocracia
  • A dificuldade de ouvir não
  • O trabalho em 2016
  • O falso milagre das palestras
  • Delegar 3.0 em vez de “delargar”
  • O preço da indecisão
  • O que efetivamente é um consultor?
  • Sua empresa na nuvem
  • A hora e a vez das mulheres
  • Brasileiro abre empresa, não empreende 2
  • Brasileiro abre empresa, não empreende 1
  • Ser veloz não é ser apressado
  • Liderança Servidora
  • Empreendedorismo atrás das grades
  • Contratamos mal
  • A maior decisão profissional
  • Mercado de trabalho em 2015
  • Conexão Profissional
  • Criativo não é inovador
  • A personalidade do cliente
  • Negócios Paralelos
  • Amigos e negócios
  • Trabalha muito e produz pouco 2
  • Trabalha muito e produz pouco
  • Você sabe gerir seu tempo?
  • Mudar de emprego
  • Falsos heróis profissionais
  • Você é um empreendedor caprichoso?
  • Ah! Essa minha equipe...
  • Networking tem técnica – parte 2
  • Networking tem técnica – Parte 1
  • Miopia empresarial: qual é a sua?
  • Qual a base da sua venda?
  • Parceria: êxito ou frustração?
  • Conhecimento X Autoestima
  • A falta que o treinamento faz
  • A comparação com você mesmo
  • Uma questão de preconceito
  • Sua carreira em 2014
  • Home Office – parte 3
  • Home Office parte 2
  • Home Office parte 1
  • Pobres engenheiros
  • Os profissionais do jeitinho
  • Controle ou Gerenciamento?
  • Identidade financeira – Parte 2
  • Identidade financeira – Parte 1
  • Workaholics improdutivos
  • A arte de cofundir a equipe
  • Você sabe dar “feedback”?
  • Sustentabilidade da porta para dentro
  • Quais são os seus papéis na vida?
  • Não precisa ser perfeito. Basta ser honesto
  • Não basta ser técnico para ter um negócio
  • Quem falha ao planejar, planeja falhar
  • A falsa sensação de empatia
  • A falsa sensação de um clima de harmonia