TELEFONE E WHATSAPP 9 8266 8541 | Quem Somos | Anuncie Já | Fale Conosco              
sitedagranja
| Newsletter

ASSINE NOSSA
NEWSLETTER

Receba nosso informativo semanal


Aceito os termos do site.


| Anuncie | Notificações
Voltar

Falta mão de obra especializada na Granja Viana

24/01/2024


Pandemia e despreparo são causas que assolam não só a Granja, mas todo o Brasil

“A cada ano, as empresas têm mais dificuldades para preencher vagas, desde as mais simples até algumas funções que exigem maior preparo e formação”, Disse a  diretora de gestão estratégica de pessoas no ManpowerGroup (responsável pela pesquisa), Wilma Dal Col. Em entrevista dada à CNN ela explicou que a pandemia “pisou no acelerador” do problema, mas não o causou.

Na Granja Viana, Sandra Yamashita, psicóloga clínica e sócia proprietária da  Slie Consultoria de RH diz: “O que vemos hoje é que as pessoas se acostumaram mal com o home office e preferem manter desta forma, e as empresas que trabalham presencialmente tem essa dificuldade adicional. Minha sugestão é investir em educação, treinamentos e desenvolvimento dos jovens.”

Ela emenda com dicas para empresas e candidatos:

“As empresas devem flexibilizar os perfis, muito exigem limite de idade, sexo, formação, tempo de experiência etc. “

Para os  candidatos, ela sugere: “Estudem, se atualizem, invistam em desenvolvimento comportamental, mantenham a prática da educação continuada, leitura, conhecimentos gerais”. Sandra ainda emenda:

“Divulgamos anúncio dizendo que a forma para se candidatar é por e-mail, a pessoa liga e pergunta: “como eu faço para enviar meu currículo?”

Ao mesmo tempo, os candidatos não hesitam em fazer reivindicações ao empregador, completa ela:

“No pós-pandemia, eles estão mais exigentes. Muitas vezes, em um processo seletivo, a primeira pergunta que fazem é quantos dias são de home office."

Consultado, um gerente de loja de cosméticos da Granja Viana disse ao Site da Granja:

“Em menos de um mês de operação tive que dispensar uma pessoa. Assim, temos uma vaga que está disponível desde dezembro, mas não conseguimos achar... dos candidatos que apareceram até o momento - não estou pedindo nada demais, experiência no ramo e que tenha uma boa comunicação - 90% não tem experiência em vendas. O povo da região pula muito de emprego, mas o que mais me surpreende são as pessoas que conversamos, elas não sabem nem dialogar. Tive uma entrevista que durou dois minutos.

Isso pode comprometer muito meu negócio, porque eu dependo de vendedores para compor a minha loja, pois eu não consigo ficar lá. isso vai me obrigar a sair da região e mudar para uma outra área onde eu consiga estar mais próximo para supervisionar.”

Já o responsável por uma clínica de estética disse:

“Inaugurei em nov/2021 e de lá para cá não houve nenhum mês que eu tive o quadro completo. Por isso estou tendo que me desdobrar deixando algumas coisas bem importantes de lado para me dedicar à operação da clínica por falta de mão de obra.

Meu processo seletivo inicia-se totalmente online. Peço currículo e a maioria, 80%, já para aí, não enviam. Os 20% que passam dessa etapa são convocados para vir para uma entrevista final  na clínica. De novo, só 20% aparecem. E das pessoas que iniciam o trabalho, tem gente que depois do primeiro dia já deixa de vir.

E continua:

“Não sei o que está acontecendo, mas tenho certeza absoluta  de que não é aqui exclusivamente comigo, porque a rede inteira sofre do mesmo problema, isso a nível Brasil. Inclusive em São Paulo, onde a oferta de colaboradores é muito maior e mesmo assim eles sofrem  a mesma coisa. Vaga existe, mas não existe candidato.”

Como isso é possível em um país com mais de oito milhões de desempregados?

De acordo com o gerente Alexandre Mendonça, da consultoria de recrutamento Robert Half, no terceiro trimestre de 2023, 76% dos recrutadores afirmam que é difícil encontrar trabalhadores para preencher vagas.

“Estamos falando de um mercado cada vez mais competitivo, em que as empresas necessitam de habilidades cada vez mais específicas. Hoje em dia, os profissionais precisam ampliar o conhecimento e ganhar novas ferramentas para se diferenciar no mercado”, avalia o gerente.

Ele lembra que, entre os profissionais qualificados, a taxa de desemprego é consideravelmente menor que a total. No terceiro trimestre de 2023, ela chegou a 3,5% enquanto a geral ficou em 8%.

Os segmentos em que há mais demanda por talentos, de acordo com a pesquisa são: tecnologia da informação, atendimento ao cliente, logística e operações e marketing e vendas.

A escassez de trabalhadores também afeta posições que exigem menos educação formal. Neste ano, os supermercados EPA, por exemplo, abriram 1.000 vagas para operador de caixa e assistente de açougue e estão com dificuldades para o preenchimento: “O varejo tem aquele trabalho de segunda a segunda, com uma folga por semana, além da questão dos horários”, justifica a gerente de RH do Epa, Silvia Lamarque Guimarães.

O setor de construção civil é outra que busca, sem sucesso, preencher todas as vagas. Gerente de RH da construtora Emccamp, Christina Santos avalia: "Na mão de obra técnica, é cada vez mais difícil encontrar pessoas qualificadas em serviços de origem primária, como pedreiro, carpinteiro, mestre de obras, encarregado. Como não encontramos, pegamos pessoas que têm o mínimo conhecimento nessas áreas e formamos internamente", diz. 

Empresas tentam ir além do melhor salário para atrair funcionários

O gerente da Robert Half Alexandre Mendonça avalia que a pandemia alterou as expectativas dos trabalhadores: “As pessoas buscam qualidade de vida, uma relação mais equilibrada entre vida pessoal e trabalho. As pessoas trabalham focadas em propósito e enxergam muito a cultura e os valores da empresa, desde o foco no meio ambiente à inclusão”.

Em outros países, a tendência é mais premente. O CEO da ArcelorMittal, Aditya Mittal, afirma que é comum candidatos a vagas na multinacional na Europa questionarem as ações da empresa no campo ambiental: “Falam que querem ajudar a salvar o planeta”, disse, durante uma apresentação no Congresso Aço Brasil 2023.

Mas o Brasil também entra nessa tendência, avalia a líder de Pessoas e Cultura da Vagas, Ligia Hacker. “Em comparação a uns bons anos atrás, as pessoas que ingressam no mercado de trabalho têm menos intenção de ficar dez, 15 anos na empresa. O que elas pensam a respeito do trabalho é diferente. Querem fazer um trabalho legal, em um ambiente legal, com pessoas legais. Quando algo não corresponde à expectativa, mudam”, finaliza.


Serviço

Canais com ofertas de vagas e profissionais na região:

Pensando nesse assunto, foi criado um grupo de WhatsApp aqui na Granja Viana para a divulgação de vagas de trabalho das  empresas da região, facilitando tanto para o empregador quanto para os candidatos.

O Site da Granja também disponibiliza gratuitamente uma sessão de classificados para promover uma rápida absorção da mão de obra.

Centros de Capacitação Profissional:

O Cepro (Centro Profissionalizante Rio Branco) é uma entidade certificadora que promove a socioaprendizagem profissional de jovens em vulnerabilidade, de 15 a 19 anos, cursando ou tendo concluído o Ensino Médio da escola pública, de acordo com a Lei do Aprendiz (nº 10.097/2000). Desde 1947, o Cepro, mantido pela Fundação de Rotarianos de São Paulo, já formou mais de 45 mil jovens. Hoje conta com a parceria de aproximadamente uma centena de empresas parceiras, nacionais e multinacionais de pequeno, médio e grande porte.

Casa do Moinho- http://www.casadomoinho.org.br/

Unidade da Afesu - Associação Feminina de Estudos Sociais e Universitários,  o Moinho é uma organização não governamental sem fins lucrativos que, desde 1998, trabalha para promover a dignidade humana por meio da formação cidadã, educacional e profissional de mulheres – crianças, adolescentes e adultas. Lá você encontra o Projeto Trilhas – preparação para o 1º emprego. São oficinas práticas e teóricas nas áreas de Gestão Empresarial, associadas a Empreendedorismo Cultural/Social, Turismo, Alimentação e Tecnologia. O objetivo destas oficinas é preparar as jovens para iniciar no mercado de trabalho, desenvolvendo competências técnicas e habilidades socioemocionais.  

SENAI Cotia 

O SENAI é um dos cinco maiores complexos de educação profissional do mundo e o maior da América Latina. A rede SENAI-SP engloba 92 unidades fixas, incluindo a escola SENAI Ricardo Lerner, localizada na cidade de Cotia.  Ele oferece cursos para as qualificações nas áreas Eletroeletrônica, Gestão, Logística, Metalmecânica, Segurança do Trabalho e Tecnologia da Informação, em um ambiente de ensino projetado para oferecer capacitação profissional e especialização técnica. São laboratórios de eletroeletrônica, metrologia, informática, logística e oficinas de metalmecânica, eletroeletrônica e soldagem.




Notícias Relacionadas:


 
TENHA NOSSAS NOTÍCIAS DIRETO NO WHATSAPP, CLIQUE AQUI.

Pesquisar




X































© SITE DA GRANJA. TELEFONE E WHATSAPP 9 8266 8541 INFO@GRANJAVIANA.COM.BR