TELEFONE E WHATSAPP 9 8266 8541 | Quem Somos | Anuncie Já | Fale Conosco              
sitedagranja
| Newsletter

ASSINE NOSSA
NEWSLETTER

Receba nosso informativo semanal


Aceito os termos do site.


| Anuncie | Notificações

Conexão Sustentabilidade

01/10/2021

O ESG (em inglês Ambiental, Social e Governaça) e a geração de valor



A divulgação e consolidação do ESG ou ASG nas empresas, acrônimo que, para quem está lendo pela primeira vez, significa em inglês Ambiental, Social e Governança, está cada dia mais presente e sendo debatido em diversas plataformas: podcasts, televisão, blogs, sites, rádio etc. Os investidores impulsionaram a temática no meio da pandemia por entender que as empresas precisam entregar valor para eles e, também, para a sociedade, por meio de um desenvolvimento sustentável que leve em consideração as questões não só financeiras, mas também os pilares sociais e ambientais.

O artigo da Harvard Business de 2011, com o título Criação de Valor Compartilhado, assinado por Michael Porter e Mark Kramer, trouxe esse desafio de reinventar o capitalismo e desencadear uma onda de inovação e crescimento. Os autores apresentam esse conceito de valor compartilhado, cujo foco é a relação entre o progresso social e o econômico, e que existem três grandes saídas para as empresas criarem oportunidade de valor como: reconceber produtos e mercados, redefinir a produtividade na cadeia de valor e fomentar o desenvolvimento de clusters locais. Eles afirmam que as necessidades sociais e não só necessidades econômicas convencionais, definem o mercado, e que as mazelas sociais criam custos internos para as empresas.

Pois é, agora com a crise pandêmica, que causou também a crise econômica mundial, podemos perceber que uma década atrás estávamos discutindo essa temática. Vou além, no final dos anos 90 um grupo de empresários e executivos da iniciativa privada no Brasil criou o Instituto Ethos para fomentar e aprofundar o compromisso das empresas com a responsabilidade social e o desenvolvimento sustentável. Tive a oportunidade de participar de uma das primeiras conferências e acompanhar, durante a minha carreira, esses visionários na questão da mudança de paradigma de gestão das empresas. 

É isso que estamos vivenciando hoje, uma verdadeira disrupção do sistema empresarial. Talvez estejamos voltando aos primórdios das criações dos primeiros produtos e serviços na história da administração, ou seja, repensando em criar em cima das necessidades reais das pessoas, mais do que isso, nas urgências da humanidade. A pandemia mostrou exatamente isso com a corrida das vacinas, empresas de bebidas e remédios fazendo álcool em gel, fábricas de roupas fazendo máscaras, enfim, itens de primeiras necessidades para a proteção de todos e todas. Decerto, seja esse “reconceber” produtos e mercados que Porter e Kramer comentam no seu artigo.

Em 2003, Stuart Hart e Mark Milstein, fizeram um artigo com o título Criando Valor Sustentável, mostrando que naquela época (e talvez ainda nesta) grande parte dos executivos ainda considera o desenvolvimento sustentável uma espécie de mal necessário, uma vez que envolve regulações, custos e responsabilidades onerosas. No artigo é apresentado um modelo com uma estrutura de criação de valor para os acionistas, que insere os desafios globais do desenvolvimento sustentável. Além disso, reafirma que a sustentabilidade não é incompatível com o crescimento econômico, mas que, sim, pode ser uma fundamental fonte de vantagem competitiva e de geração de valor para acionistas e sociedade em geral.

Pois é, muitos visionários já vinham sentindo esse movimento e apresentando as novas tendências do mercado. Voltando para os dias atuais, ainda sobre tendências, e colocando o acrônimo ESG no Google Trends (plataforma on-line que mostra a tendência de buscas por certos termos) mostra que a busca pelo conceito ESG vem aumentando nesses últimos meses, a partir de junho e julho de 2020, e também que pesquisas relacionadas como: o que significa ESG, Agenda ESG, ESG o que é, ESG significado etc., estão em ascensão. Nas buscas ainda como assuntos relacionados estão as ações, o compliance, o relatório, a governança corporativa e a bolsa de valores. 

Saindo das teorias e indo para a prática, a geração de valor por meio do ESG tem alguns bons incentivos: linhas de financiamentos especiais como a recém-lançada pelo BNDES, que conta com recursos da ordem de 1 bilhão de reais. Dentre as suas principais premissas deste recurso está o incentivo à mudança para uma economia de baixo carbono, e o fortalecimento de cadeias de fornecedores mais sustentáveis nas regiões menos desenvolvidas do País.

Algumas grandes empresas estão buscando ampliar o gerenciamento desse valor, como a Ypê, empresa de várias categorias no segmento de limpeza no Brasil, que ampliou o seu departamento de sustentabilidade e criou uma área específica que fará a gestão de impacto em ESG.

Outro exemplo, ligado ao envolvimento da liderança nesta geração de valor compartilhado, é o Assaí Atacadista, que colocou uma meta de redução de 30% nas emissões de carbono na sua operação até 2025, e atrelou à remuneração variável da média e alta liderança, incluindo o CEO, e todos os diretores nas suas 186 unidades espalhadas nas cinco regiões do Brasil.

Temos muitos e muitos casos de empresas que estão inserindo as temáticas do ESG no seu dia a dia, na sua operação, na sua estratégia e nos seus objetivos. Precisamos acelerar este movimento cada vez mais, pois depois dessas crises, existem muitas pessoas e locais que estão precisando ter a geração dos valores econômico, social e ambiental o mais rápido possível!


Veja mais

O ESG, os CSOs e o Conselho por Marcus Nakagawa
A busca pelo ESG pelas empresas é evidente. Por Marcus Nacagawa
Profissionais e o trabalho no ESG
O ESG e as Micros, Pequenas e Médias Empresas
A revolução do ESG em 2022?
Os desafios do "E" do ESG
A COP26 e o bônus dos executivos Marcus Nakagawa
ESG: todas as empresas precisam participar desse novo modelo de gestão
ODS e ESG andando sempre juntos
O ESG sendo acelerado pela tecnologia
Dia, mês, ano, década e século do meio ambiente
Sustentabilidade como estratégia
Empreendedor Social
Economia verde
Empreender sustentável
O tal do novo normal
Hábitos de Consumo
Efeitos da quarentena
Impactos socioambientais
Fórum Econômico Mundial

 


Marcus Nakagawa

Marcus Nakagawa é professor da ESPM; coordenador do Centro ESPM de Desenvolvimento Socioambiental (CEDS); idealizador e conselheiro da Abraps; e palestrante sobre sustentabilidade, empreendedorismo e estilo de vida. Autor dos livros: 101 Dias com Ações Mais Sustentáveis para Mudar o Mundo (finalista no Prêmio Jabuti 2019) e Marketing para Ambientes Disruptivos. http://www.marcusnakagawa.com
www.blogmarcusnakagawa.com

Pesquisar




X









































© SITE DA GRANJA. TELEFONE E WHATSAPP 9 8266 8541 INFO@GRANJAVIANA.COM.BR