TELEFONE E WHATSAPP 9 8266 8541 | Quem Somos | Anuncie Já | Fale Conosco              
sitedagranja
| Newsletter

ASSINE NOSSA
NEWSLETTER

Receba nosso informativo semanal


Aceito os termos do site.


| Anuncie | Notificações
TENHA NOSSAS NOTÍCIAS DIRETO NO WHATSAPP, CLIQUE AQUI.
Voltar

15/09/2021

Taxa do Lixo é aprovada na Câmara de Cotia. Veja quanto você vai pagar a partir de janeiro de 2022


A Câmara Municipal de Cotia aprovou nesta terça-feira (14) a Taxa de Custeio Ambiental (TCA), por meio do substitutivo nº 2 ao Projeto de Lei Complementar nº 8/2021, referente aos serviços de coleta, remoção, transporte e destinação final de resíduos domiciliares ou equiparados.

Popularmente chamada de “Taxa do Lixo”, o projeto de autoria do Executivo é uma exigência do Novo Marco Legal do Saneamento, sancionado pelo presidente Bolsonaro em julho de 2020 e uma das obrigações é a cobrança pela prestação de serviço de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos. O prazo para que as prefeituras regulamentassem a cobrança era até 15 de julho, portanto, Cotia aprovou com atraso. 

O projeto já havia entrado na pauta no último dia 10, mas foi retirado pela mesa da Câmara para ajustes, uma vez que os valores que incidiram para o contribuinte foram considerados incompatíveis com a realidade econômica da população, variando de R$ 72 a R$ 600 mensais. 

O substitutivo veio com valores mais “modestos”, mas não menos indigesto, uma vez que representa mais um imposto a ser pago pelo contribuinte. A cobrança, mensal, passa a valer a partir de janeiro de 2022 e deve ser debitada junto da conta de água e calculada com base no consumo de água de cada residência, ou metro quadrado do terreno, ou ainda estabelecimento comercial ou industrial.

O não pagamento da taxa pode levar o contribuinte a ser inscrito na dívida ativa do município. Do mesmo modo, as prefeituras também podem ser punidas. 

De acordo com o artigo 14 da Lei Complementar 101/2000, caso o município não estabeleça a devida cobrança no prazo legal, a renúncia de receita deverá ser acompanhada de estimativa do impacto orçamentário-financeiro no exercício em que deveria ser iniciada sua vigência e nos dois seguintes. E o prefeito será enquadrado na Lei de Responsabilidade Fiscal.

No entanto, o Art. 5º da Lei Municipal aprovada pelos vereadores em Cotia, determina que caso os recursos arrecadados por meio da taxa não sejam suficientes para o custeio do serviço, a prefeitura poderá subsidiar “mediante a alocação de recursos orçamentários, especialmente para atender a usuários de baixa renda”.

As tarifas ficaram assim definidas: 

Imóveis Edificados de Uso Residencial enquadrados nas seguintes faixas de consumo (de água): 

  • Até 20 m³- R$ 8,50 (por unidade/mês) 
  • Acima 20 m³ e até 50 m³ - R$ 10,50 (por unidade/mês) 
  • Acima de 50 m³ - R$ 15,00 (por unidade/mês)

Imóveis Edificados de Uso Comercial enquadrados nas seguintes faixas de consumo (de água): 

  • Até 100 m³ - R$ 19,90 (por unidade/mês) 
  • Acima de 100 m³ - R$ 199,90 (por unidade/mês)
  • Imóveis Edificados de Uso Industrial:
  • Até 200 m³ - R$ 399,00 (por unidade/mês) 
  • Acima de 200 m³ - R$ 499,00 (por unidade/mês)

Imóveis não edificados (terrenos) tributados por metro quadrado (m2)

  • Até 250m² - R$ 75,00 (por ano) 
  • Acima de 250m² e até 500m² - R$ 200,00 (por ano) 
  • Acima de 500m² e até 1.000m² - R$ 500,00 (por ano) 
  • Acima de 1.000m² - R$ 600,00 (por ano)

Imóveis Edificados de Uso Residencial enquadrados pela SABESP na “Tarifa Social de Conta de Água”  - Sem Incidência de tributação.

Conheça  lei completa AQUI

O Marco Legal do Saneamento

O novo Marco Legal do Saneamento completou um ano  em 15 de julho desde a sua sanção pelo Presidente Jair Bolsonaro. 

No documento também foram definidas regras voltadas para a drenagem urbana e manejo de resíduos sólidos urbanos, além de facilitar a privatização e serviços. 

Trata-se da Lei 14.026/2020, que apresenta as diretrizes nacionais para o saneamento básico e dispõe sobre regras para alocação de recursos públicos federais e os financiamentos com recursos da União. 

O principal objetivo da nova lei é a universalização do saneamento, que prevê a coleta de esgoto para 90% da população (hoje o número não chega a 75%, segundo dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento), e o fornecimento de água potável para 99% da população até o fim de 2033.

Já a médio prazo (até o final de 2022), devem ser disponibilizadas as informações relativas à adoção – pelas agências reguladoras de saneamento subnacionais – das normas emitidas pela Agência Nacional de Águas (ANA); publicação de normas referência e da metodologia para cálculo de investimentos.

Além de instituir a cobrança, o Marco Legal definiu que quando for cortada a água por falta de pagamento, o serviço de coleta de esgotos, mesmo sem pagamento, deverá ser mantido para preservar as condições mínimas de manutenção da saúde dos usuários e norma de regulação do órgão de política ambiental.

A Lei define várias atividades como serviços públicos especializados de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos, desde coleta e reciclagem até asseio de ruas, locais públicos, remoção de terra de tubulações e outras.

Já a retenção de águas pluviais urbanas para retardar cheias também passa a ser considerado serviço público de manejo de águas pluviais.

Quanto aos edifícios, o texto exige que as novas construções adotem padrões de sustentabilidade ambiental que incluam, por exemplo, hidrômetros individualizados.

Naqueles construídos sem o hidrômetro individualizado por unidade ou onde isso não for possível por custo ou razão técnica, o condomínio poderá firmar contratos especiais com os prestadores de serviços para fixar as responsabilidades, os critérios de rateio e a forma de cobrança.

Conheça o Marco Legal do Saneamento

(Sonia Marques)


 

Pesquisar




X









































© SITE DA GRANJA. TELEFONE E WHATSAPP 9 8266 8541 INFO@GRANJAVIANA.COM.BR